O Tratamento com a Psicoterapia Reencarnacionista e Regressão Terapêutica 

O Tratamento tem a duração de alguns meses ou anos e consta de consultas semanais, a cada 10 dias ou quinzenais e 4 ou 5 Sessões de Investigação do Inconsciente. Através da Psicoterapia Reencarnacionista (a Terapia da Reforma Íntima) e a Investigação do Inconsciente (Ética, sob o comando do Mundo Espiritual, permitindo conciliar-se esse procedimento com a Lei do Esquecimento, segundo consta na questão 399 do “O Livro dos Espíritos”), é possível, sob o comando de Seres Espirituais superiores, o entendimento a respeito de nossas propostas pré-reencarnatórias, recordarmos como vem sendo o nosso aproveitamento das encarnações com o passar dos séculos, para o que reencarnamos, qual a finalidade e a nossa programação para essa atual encarnação, promovermos uma releitura de nossa infância e dos fatos da vida sob a ótica reencarnacionista, nos resgatarmos com Espíritos conflitantes, irmos mudando a “versão-persona” para a “Versão-Espírito” a respeito de nossa vida e realmente aproveitarmos essa encarnação no sentido da evolução espiritual, além de podermos melhorar muito ou curar as Fobias, o Transtorno do Pânico, as Depressões severas, as Dores Físicas de difícil tratamento, como a Fibromialgia, por exemplo, eliminarmos sentimentos profundos de solidão, de abandono, as tristezas sem causa aparente, medos, insegurança, infertilidade, etc.
O Tratamento com a Psicoterapia Reencarnacionista e a Investigação do Inconsciente pode ser realizado através de Terapia em adultos, Terapia em adolescentes, Terapia em crianças (com Investigações do Inconsciente na criança ou em um dos pais ou outro parente – à distância), Terapia de casal, Terapia para pais, Terapia para velhos e Terapia para família.

O que visa o Tratamento?

A Psicoterapia Reencarnacionista é uma moderna Escola psicológica, que agrega a Reencarnação e visa ajudar a todos nós a mudarmos a visão que temos da nossa infância e dos fatos/pessoas/situações da nossa vida para a visão que o nosso Espírito e os nossos Mentores Espirituais têm a esse respeito. É o que chamamos “versão-persona” X “Versão-Espírito”. Esse é o modus operandi da Psicoterapia Reencarnacionista e, por isso, requer um tratamento de alguns meses ou anos e não apenas sessões de “Regressão” e, sim, conversas a esse respeito.
A Psicoterapia Reencarnacionista, baseada na Reencarnação, é uma nova Escola de Psicoterapia e a diferença fundamental entre ela e as demais é que a Reencarnação é o seu elemento básico e a partir daí é que o tratamento se estrutura. Ela iniciou em 1996, em Porto Alegre, e atualmente conta com Curso de Formação em 18 estados do Brasil e centenas de psicoterapeutas reencarnacionistas graduados nos nossos Cursos de Formação, em mais de 100 cidades do Brasil.
Essa nova Psicoterapia nasceu com a finalidade de trazer à Psicologia e à Psiquiatria uma possibilidade de expansão nunca antes imaginada. A Reencarnação é agregada aos conceitos psicológicos e psiquiátricos, criando uma nova maneira de encarar os conflitos de todos nós. A infância deixa de ser considerada o início da vida e passa a ser vista como a continuação de nossa vida eterna; a nossa família não é mais um conjunto de pessoas que se uniram ao acaso por laços afetivos e, sim, um agrupamento de Espíritos unidos por laços kármicos, as situações que vamos encontrando no decorrer da vida não são aleatórias e, sim, reflexos, consequências, decorrências de nossos atos passados, necessidades para nosso projeto evolutivo espiritual.
A Psicologia atual, herdeira de uma concepção religiosa não-reencarnacionista, enxerga a nossa vida apenas desde a infância e, por isso, limita seu campo de ação a uma fração mínima da nossa existência. Ela trabalha com um conceito equivocado que é a Formação da Personalidade, pois afirma que não existíamos antes. Considera, então, que nossas características de personalidade originam-se lá no “inicio da vida”, bem como nossos sentimentos negativos, pela conjunção de fatores genéticos, hereditários e ambientais. Tudo originou-se lá, obrigatoriamente, pois nada havia antes. Mas e as nossas encarnações passadas? Na nossa vida encarnada anterior não tínhamos uma personalidade? Evidentemente que sim, então não é razoável e de bom senso pensar que somos a continuação daquele que fomos nessa vida anterior à atual? Isso derruba o conceito de Formação de Personalidade e cria um outro conceito, revolucionário, evolucionista, clarificador, o de Personalidade Congênita, um dos pilares básicos da Psicoterapia Reencarnacionista. E nossos familiares, nosso pai, nossa mãe, nossos irmãos e demais parentes? Dentro dos princípios reencarnacionistas sabemos que somos Espíritos ligados por cordões energéticos de afinidade e de divergência. Esses cordões é que regem a nossa aproximação e isso explica as simpatias e as antipatias entre familiares, até mesmo ódios e aversões. E por que nos aproximamos novamente? No caso da afinidade, para continuarmos juntos em um projeto de amizade, de um trabalho em conjunto, no caso da divergência, para fazermos as pazes, nos harmonizarmos, nos amarmos. E essa última questão é um dos principais assuntos nas consultas de Psicoterapia Reencarnacionista, quando tratamos conflitos entre pais e filhos e entre irmãos. Agregando a Reencarnação à Psicologia cria-se uma nova Psicologia, baseada na nossa vida eterna, na nossa busca de evolução espiritual, de purificação.

A Investigação do Inconsciente

É um procedimento de recordação e desligamento de encarnações passadas realizado pelo psicoterapeuta reencarnacionista mas comandado, dirigido, pelos Mentores Espirituais das pessoas, respeitando a Lei do Esquecimento. A Ética na nossa Investigação do Inconsciente é rígida e segue a orientação de Kardec em “O Livro dos Espíritos”, questão 399, quando o Mestre diz que o Espírito reencarna esquecido e não deve recordar o seu passado, a não ser que exista uma necessidade disso, que não o seja por curiosidade, e que o comando de tão sensível processo esteja nas mãos dos Seres Espirituais. E essa é a nossa postura.

A Regressão é utilizada com duas finalidades:

1. Terapêutica: Desconectar as pessoas de situações traumáticas do seu passado, geralmente de vidas passadas, que ainda estão atuantes em seu Inconsciente, originando os sintomas das Fobias, o Transtorno do Pânico, as Depressões severas, Dores Físicas crônicas, sentimentos de solidão, saudade, abandono, tristezas sem motivo aparente, medos, inseguranças, etc., que podem melhorar muito ou até ser curados rapidamente. A Investigação do Inconsciente pelo Método ABPR (Associação Brasileira de Psicoterapia Reencarnacionista) permite conciliar Investigação do Inconsciente com a Lei do Esquecimento por ser dirigida pelo Mundo Espiritual e nunca ser incentivado o reconhecimento de pessoas.

2. Consciencial: Ajudar as pessoas a recordarem como eram em suas vidas passadas (padrão comportamental secular ou milenar) para comparar-se como são hoje e perceber então no que devem melhorar, transformar-se, reformar-se. É o entendimento da nossa Personalidade Congênita e aí encontrarmos a chave para a realização da Reforma Íntima.

Na Psicoterapia Reencarnacionista não somos nós quem comandamos a Investigação do Inconsciente e sim os Mentores Espirituais de cada pessoa, nós apenas auxiliamos o processo, colaboramos nessa ação, através da promoção de um relaxamento do seu corpo físico e uma elevação de sua frequência, mas não dirigimos, não conduzimos, não direcionamos a Investigação do Inconsciente para o motivo da consulta, para a sua queixa principal, para o que a pessoa quer saber. Após um breve tempo, a pessoa acessa um fato do passado ao qual ainda está sintonizada, e a partir daí vai recordando e nos contando até o fim daquele fato, até o final daquela vida, o seu desencarne, até recordar sua subida para o Plano Astral (periodo inter-vidas), até referir estar sentindo muito bem (Ponto Ótimo). A Investigação do Inconsciente promove, assim, um desligamento completo das vidas acessadas, uma a uma, e pode proporcionar uma grande melhoria ou a cura de sintomas crônicos graves, além do entendimento de nossa Personalidade Congênita, o que traz a compreensão da nossa proposta de Reforma Íntima.